Dia a Dia

2016 pode ser um marco na história do Balé da Cidade de São Paulo: finalmente os bailarinos deverão ter contratos estáveis

Foto: Heloísa Ballarini
Foto: Heloísa Ballarini
Elenco do Balé da Cidade de São Paulo (com exceção dos cinco contratados de 2016).
Foto: Sylvia MasiniFoto: Sylvia Masini

Balé da Cidade de São Paulo em Cantares, coreografia de Oscar Araiz.

Clique para ampliar

 Turnê na Europa, presença garantida no palco do Theatro Municipal, temporada de 2016 definida com antecedência, lançamento de programa de assinaturas para venda antecipada de ingressos. Para o Balé da Cidade de São Paulo (BCSP), tais fatos, anunciados no final de 2015, trazem perspectivas positivas para a companhia paulistana com quase meio século de existência e dirigida desde 2013 por Iracity Cardoso.

A melhor notícia, no entanto, é que o elenco de 35 bailarinos deixará de trabalhar mediante contratos temporários, renovados a cada três meses, para finalmente desfrutar de estabilidade via CLT (a legislação sancionada em 1943, conhecida como Consolidação das Leis do Trabalho, que resulta inclusive em benefícios previdenciários). Até então, os bailarinos do BCSP estavam excluídos desta condição.

O processo de regularização trabalhista dos chamados corpos estáveis do Theatro Municipal de São Paulo – Balé da Cidade de São Paulo, Orquestra Sinfônica Municipal, Orquestra Experimental de Repertório, Quarteto da Cidade, Coral Paulistano – teve início a partir de 2011, quando a Fundação foi regulamentada. Na prática, começou a sair do papel em 2013. Dos quatro corpos estáveis, o Balé da Cidade é o único que ainda utiliza contratos temporários. Ou seja, ficou por último. 

Para completar, o processo será demorado, pois deve se estender até dezembro. Porém, até o final de 2016, todos os bailarinos deverão ter contratos via CLT. É o que está prometido pelo atual Secretário Municipal de Cultura, Nabil Bonduki, desde dezembro de 2015, quando foi anunciada a temporada de 2016 do Theatro Municipal, para óperas, balés e concertos.

Tal perspectiva é especialmente importante no momento atual, quando a Cooperativa Paulista de Dança, presidida por Sandro Borelli, encabeça discussões e encaminhamentos de projetos de lei referentes à concessão de aposentadoria especial, com 25 anos de serviço, para os profissionais da área (autoria do deputado federal Carlos Zarattini, PT/SP), e de regulamentação do exercício profissional em dança (autoria do senador Valter Pinheiro, PT/BA).

Na atual conjuntura do Balé da Cidade, os cinco bailarinos selecionados na audição dos dias 30 e 31 de janeiro – Julie Endo, Renée Weinstrof, Harrison Gavlar, Lucas Axel e Luiz Crepaldi – ingressam no grupo com perspectivas inéditas, que podem assinalar um marco histórico. Companhia referencial, o BCSP é sempre disputado por bailarinos: nesta última audição inscreveram-se 188 candidatos (108 mulheres e 80 homens).

Na primeira quinzena de março, o Balé da Cidade encerra sua bem-sucedida turnê por três países europeus: Espanha, Alemanha e Suíça (elogios calorosos têm sido publicados pela imprensa destes países e o público vem ovacionando a companhia após as apresentações). Na história do grupo, a circulação internacional teve início em 1986, quando apresentou-se na Bienal da Dança de Lyon (França), a convite de Guy Darmet. Na época, era dirigida por Ivonice Satie. Foi também quando o consagrado coreógrafo israelense Ohad Naharin aceitou convite para montar uma de suas mais aclamadas criações, Axioma 7, para o BCSP. A admiração que o elenco brasileiro despertou em Naharin fez com que ele montasse mais dois espetáculos para o grupo: Queens/Black Milk e Perpetuum.

Em 2016, o Balé da Cidade estará mais presente no Theatro Municipal, seu teatro-sede, onde teve problemas de agenda em 2015, por causa da intensa programação de óperas. O sistema de vendas de ingressos por assinatura já pode ser acessado pelo site www.theatromunicipal.org.br ou diretamente na bilheteria do Theatro (Praça Ramos de Azevedo, s/n°, de segunda-feira a sábado das 10h às 18h, domingo das 10h às 16h; tel. (11) 3053-2098 e 3053-2099).

Na programação de 2016 estão confirmadas cinco obras do repertório da companhia – Cantares, de Oscar Araiz; Abrupto., de Alex Soares; Cacti, de Alexander Ekman; Adastra, de Cayetano Soto e O Balcão de Amor, de Itzik Galili.

Além destas criações, três novas coreografias comporão o programa deste ano. Do coreógrafo português André Mesquita, o BCSP estreia Corpus, na temporada de junho. Em setembro, será a vez de Titã, do diretor teatral e coreógrafo italiano Stefano Poda. Uma versão do brasileiro Alex Soares para a Suíte Quebra-Nozes estreará em novembro.

Veja abaixo as datas e programas das temporadas de 2016 do Balé da Cidade de São Paulo no Theatro Municipal e os nomes dos bailarinos que integram o atual elenco.

Março (dias 30 e 31)/Abril (1 a 3)

Apresentações com o Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo e Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, sob regência do maestro Eduardo Strausser

Cantares (de Oscar Araiz; música de Maurice Ravel)

Abrupto. (de Alex Soares; música de Arvo Pärt)

Cacti (de Alexander Ekman; música de Beethoven, Schubert e Haydn)

 

Junho (de 8 a 12)

Apresentações com a Orquestra Experimental de Repertório, sob regência do maestro Carlos Moreno

Adastra (de Cayetano Soto; música de Ezio Bosso)

Corpus (de André Mesquita; música de vários compositores)

O Balcão de Amor (Itzik Galili; música de Pérez Prado)

 

Setembro (de 10 a 15)

Apresentações com a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, sob regência do maestro Eduardo Strausser

Titã (de Stefano Poda; música de Gustav Mahler)

 

Novembro (de 9 a 13)

Apresentações com a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, sob regência do maestro Eduardo Strausser

Suíte Quebra-Nozes (de Alex Soares; música de Tchaikovsky)

 

O elenco do Balé da Cidade de São Paulo reúne atualmente os seguintes bailarinos, além dos selecionados na audição de janeiro (Julie Endo, Renée Weinstrof, Harrison Gavlar, Lucas Axel e Luiz Crepaldi ): Ariany Dâmaso; Bia Nunes; Bruno Gregório; Bruno Rodrigues; Camila Ribeiro; Cleber Fantinatti; Erika Ishimaru; Fabiana Ikehara; Fabio Pinheiro; Fernanda Bueno; Hamilton Felix; Igor Vieira; Irupé Sarmiento; Jaruam Miguez; Joaquim Tomé; Leonardo Hoehne Polato; Luiz Oliveira; Manuel Gomes; Marcel Anselmé; Marcos Novais; Marina Giunti; Marisa Bucoff; Rebeca Ferreira; Renata Bardazzi; Simone Camargo; Thaís França; Victor Hugo Vila Nova; Victoria Oggiam; Vivian Navega Dias; Yasser Díaz.

Foto: Sylvia MasiniFoto: Sylvia Masini

Cena de Abrupto., coreografia de Alex Soares.

Clique para ampliar