Dia a Dia

Bienal SESC de Dança 2015 divulga programação

Foto: Christophe Raynaud de Lage
Foto: Christophe Raynaud de Lage
Cena de Tragédia, do francês Olivier Dubois.

Durante 11 dias, 31 espetáculos, cinco intervenções e duas instalações comporão uma programação de 80 apresentações de companhias de dança de sete estados brasileiros (BA, MA, MG, PR, RJ, SC, SP) e de representantes de oito países – Argentina, Uruguai, Áustria, França e Portugal. Esta intensa programação acontecerá de 17 a 27 de setembro na 9ª edição da Bienal SESC de Dança, que em 2015 se transfere para a cidade de Campinas. Até então, o maior evento de dança do SESC acontecia em Santos, litoral paulista.

Danilo Santos de Miranda, diretor regional do SESC e Ney Carrasco, secretário de cultura de Campinas, anunciaram a abertura oficial da Bienal SESC de Dança 2015 na quinta-feira, 28 de agosto, com a divulgação da programação. O evento aconteceu na sede do SESC Campinas, com apresentação de Estado Imediato, novo espetáculo do Grupo Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira.

Uma equipe de cinco curadores assina a programação desta Bienal. Além do coreógrafo Alejandro Ahmed, diretor do grupo Cena 11, de Florianópolis (SC), que participou como convidado, a curadoria incluiu os seguintes representantes do SESC: Marcos Villas Boas (técnico de programação do SESC Santo Amaro), Claudia Garcia (Gerente de Ação Cultural), Thiago Aoki (responsável pela programação de circo do SESC Campinas) e Liliane Soares (SESC Santos).

Os participantes brasileiros da programação foram selecionados pela curadoria a partir de 550 projetos inscritos em uma convocatória nacional realizada pelo SESC em abril deste ano.

A programação da Bienal de 2015 privilegiou trabalhos que dialogam com os espaços da cidade de Campinas, além de obras com trabalhos de pesquisa. Mesmo não tendo um tema pré-definido, muitas das obras presentes trazem à cena reflexões sobre identidade, novas sexualidades e gênero. Questões sociais e políticas contemporâneas também são temas recorrentes nos espetáculos.

Segundo Andréia Dorta, assessora de imprensa do SESC Campinas, o investimento na Bienal deste ano soma aproximadamente R$ 2 milhões. “Isto só na programação, sem contar a infra-estrutura”, ela informou.

Além de espaços do SESC Campinas, a Bienal ocupará diversos equipamentos culturais da cidade, como o Teatro Municipal José de Castro Mendes, a Estação Cultura, o Museu da Imagem e do Som (MIS), o CIS Guanabara e ainda espaços públicos.

Programação de espetáculos

Foto: João CaldasFoto: João Caldas

Deslocamentos, de Marta Soares.

Clique para ampliar

 A programação internacional inclui Tragédia (Tragédie), do francês Olivier Dubois, que abre a mostra. Neste espetáculo, 18 bailarinos nus (oito homens e oito mulheres), movimentam-se homogênea e repetitivamente, provocando no público um estado de quase hipnose. De repente, começam ações que permitem diferenciar individualidades e uma liberação explosiva ocorre, culminando em uma espécie de catarse coletiva.

Da França, participa também Christian Rizzo, com A Partir de uma História Verdadeira. A programação internacional inclui ainda Futuros Primitivos, do argentino Luis Garay e Fall, do português Victor Hugo Pontes. Multitude, da uruguaia Tamara Cubas e Corpos em Espaços Urbanos, da companhia austríaca Willi Dorner se apresentarão com elencos de bailarinos e performers brasileiros. 

Foto: José CaldeiraFoto: José Caldeira

Fall, do português Victor Hugo Pontes

Clique para ampliar

A programação brasileira inclui duas estreias: Estado Imediato, do Grupo Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira (São Paulo) e Blink mini-uníssono intenso-lamúrio, de Michelle Moura (Paraná).

Wagner Schwartz, de Minas Gerais, realiza uma Ocupação com quatro trabalhos – Piranha, Transobjeto, Mal Secreto e La Bête.

De São Paulo, participam, além do Grupo Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira, Cristian Duarte (com Biomashup); Marta Soares (Deslocamentos); Dual Cena Contemporânea (Duo para dois perdidos); Key Sawao (Experiência 3); Eduardo Fukushima (Homem Torto); Elisa Ohtake e elenco (Tira meu fôlego).

Do Rio de Janeiro, participam a Cia. Gente (Menu de Danças [Do it! + Corpo]) e a Cia. Híbrida (Olho nu). Marcela Levi apresenta Mordedores, criação em parceria com a argentina Lucía Russo.

De Minas Gerais, além de Wagner Schwartz, estão o Grupo Strondum (Carcaça) e Tuca Pinheiro (Hyenna – não deforma, não tem cheiro, não solta as tiras).

Há ainda apresentações de Neto Machado (Desastro – PR/BA) e Bruna Spoladore e Renata Roel (Intimidade dócil – PR). A Mostra performática bizarra  reúne Gustavo Bitencourt, Erivelto Viana e Ricardo Marinelli (PR/MA).

Para plateia infantil a Bienal programou Ninhos – Performance para Grandes Pequenos, da Balangandança Cia., Para Todos os Seguintes, da Key Zetta & Cia. e Varal de Nuvens, do Grupo Lagartixa na Janela (todos de São Paulo).

A Bienal SESC de Dança deste ano ainda inclui uma residência do Grupo Cena 11, de Santa Catarina. Dirigido por Alejandro Ahmed, o Cena 11 apresenta o processo de criação de seu novo espetáculo, Protocolo Elefante, que estreia em 2016. No dia 17 de setembro, último dia do evento, público e convidados terão acesso ao ensaio da obra.

A programação ainda inclui intervenções em espaços públicos da Cia. Domínio Público (de Campinas), de Fernando Lopes (BA), de Gustavo Ciríaco (RJ) e da Seis+1 Cia. de Dança (SP).

Cynthia Domenico (Framing Body – SP) e Roberto Freitas (Três – SC) realizam as duas instalações da mostra.

Mesas e debates, oficinas e workshops, residências e aulas abertas, além lançamentos de livros completam a programação da Bienal SESC de Dança 2015.

Ingressos

Há vários programas gratuitos na Bienal. Os preços dos ingressos da programação de espetáculos variam de R$ 5 a R$ 30.

Os ingressos já estão à venda. Podem ser comprados em todas as unidades do SESC do Estado de São Paulo e no portal www.sescsp.org.br. Os ingressos online estarão à venda, enquanto houver disponibilidade, até 2h antes do início do espetáculo. Os espetáculos infantis terão venda apenas nas bilheterias das unidades do SESC. Nestes espetáculos, crianças de até 12 anos não pagam ingressos.