Dia a Dia

Festival Contemporâneo de Dança chega à 10ª edição mantendo-se como signo de resistência cultural 

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Jordi Galí em "T"

O Festival Contemporâneo de Dança (FCD) vem marcando a cena paulistana desde 2008. Sob direção de Adriana Grechi e Amary Cacciacarro Filho, realiza em 2017 a sua 10ª edição, de 10 a 19 de novembro. O signo da resistência deste evento que reúne criações nacionais e internacionais, fica ainda mais enfático neste ano, diante dos ataques dirigidos às artes por grupos políticos ultraconservadores.

Foto: Divulgação (anaaslleixa)Foto: Divulgação (anaaslleixa)

Jordi Galí

Clique para ampliar

  Embora enxuta, a atual edição traz criações potentes. Além da brasileira Eliana de Santana, com A Emparedada da Rua Nova, a programação de 2017 do FCD apresenta “T”, de Jordi Galí (espanhol de Barcelona radicado na cidade francesa de Lyon) e We are still watching, de Ivana Muller, croata radicada em Paris.

Segundo os diretores do FCD, o evento passará a ser anual a partir de 2018. Em 2017 será realizado no Sesc 24 de Maio, no Teatro Sérgio Cardoso e no Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo (CRD). Sem patrocínios, o FCD acontece graças ao apoio do Instituto Francês de Cultura, do Sesc São Paulo, do CRD e a equipe da produtora Corpo Rastreado.

O manifesto a seguir, divulgado pela direção no lançamento do festival deste ano, está em sua íntegra por refletir o momento atual das artes no Brasil.

“O FCD entende que a função de um festival de dança é potencializar o encontro, a convivência artística e a reflexão coletiva, contribuindo para a ativação dos sentidos e a reinvenção do corpo e do espaço comum. O festival sempre procurou fomentar práticas que estimulam o espectador nas suas capacidades críticas, sensíveis e criativas.

Apostando na experimentação e no diálogo, nestes dez anos de existência, o FCD promoveu diversas ações articuladas na tentativa de viabilizar contextos colaborativos para a dança.

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

Eliana de Santana em A Emparedada da Rua Nova

Clique para ampliar

  A 10ª edição acontece em um cenário de violentos ataques às artes e seus modos de existência. O FCD, desde sua primeira edição em 2008, foi realizado em teatros públicos da região central de São Paulo, lotando salas com públicos diversos democratizando o acesso à cultura. A 10ª edição não conta com NENHUM apoio direto do poder público ou apoio privado, somente com o apoio de instituições de fomento à cultura.

A cidade de São Paulo que já foi referência na implementação de programas participativos, coletivos e inovadores de apoio à cultura, testemunha agora uma carência de espaços e programas de usufruto público. O desmonte de iniciativas em prol do exercício da cidadania atinge diversas esferas, calando as vozes da cidade. 

A 10ª edição do FCD acontece em um contexto sombrio de violência, intolerância e conservadorismo utilizados como estratégia de marketing político. Nestes tempos de moralidade fabricada, a dança contemporânea tem sido constantemente atacada por provocar questionamentos, expor a precariedade encarnada em nossos corpos e escavar o desconhecido, inventando outras possibilidades de vida e conexão.

Nestes dez anos de existência o FCD trouxe a São Paulo trabalhos de diversos continentes, não cedeu ao mercadológico e apostou na continuidade e na importância do tempo compartilhado, usando seus recursos para trazer artistas desconhecidos nos circuitos midiáticos e/ou de países onde não há apoio à cultura.

Foto: Oian DouglasFoto: Oian Douglas

We are still watching, de Ivana Muller

Clique para ampliar

  A 10ª edição do FCD previa uma extensa programação, condizente ao crescimento e à maturidade alcançada pelo festival ao longo dos anos, no entanto, só foi possível realizar um pequeno fragmento do planejado.  

Longe de nos abater pela dificuldade de realizar projetos numa conjuntura política tão adversa, desejamos que este fragmento se expanda fortalecendo nossa resistência, gerando um pouco de vitalidade, reflexão e reação! “

 

PROGRAMAÇÃO:

 

“T” de Jordi Galí (Barcelona/Lyon)

De 10 a 12 de novembro, sexta a domingo, às 19h30.

Teatro Sérgio Cardoso │ Sala Paschoal Carlos Magno

Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista
Ingressos R$ 15 e R$ 30

 

A Emparedada da Rua Nova de Eliana de Santana (São Paulo/SP)

De 16 e 17 de novembro, quinta e sexta, às 19h

CRD – Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo

Baixos do Viaduto do Chá s.n. (antiga escola de bailado)

Ingresso: entrada franca

 

We are still watching de Ivana Muller (Zagrebe/Paris)

18 e 19 de novembro, sábado às 19h e 20h30, e domingo às 18h.

SESC 24 de Maio – rua 24 de Maio, 109, Centro

Ingressos: a definir