Editorial

Ana Francisca Ponzio

Colocar em evidência a dança e aqueles que a produzem; colaborar com a circulação de informação e conhecimento sobre a área; estabelecer e aprimorar um canal de difusão dirigido não só para especialistas mas também para o público em geral; despertar interesse e ampliar plateias para uma área que lida com lacunas na mídia convencional.

Misto de missão e desafio, essas propostas norteiam o Conectedance, este novo canal de difusão da dança na internet, que espera abrir espaços para uma área artística cuja produção é expressiva no Brasil, mas que enfrenta limites em sua difusão.

Num país de dimensão continental como o Brasil, é vital e transformador contar com canais de divulgação capazes de criar elos entre todos os centros produtores de cultura. Há lacunas imensas a serem preenchidas e ao mesmo tempo o enorme potencial de termos a dança na linha de frente das manifestações culturais deste país.

Com a intenção de somar forças nesse contexto promissor, o Conectedance nasce com o propósito de difundir a dança como expressão artística no mundo contemporâneo. A atualidade, a memória, a produção brasileira em sua diversidade, a conexão com o mundo globalizado estão entre os focos de seu conteúdo, dentro de uma perspectiva de informações e opiniões plurais.

O conteúdo de abertura esboça suas propostas, como um leque que se abre em várias direções. Estamos apenas no começo e a expectativa é que o Conectedance se desenvolva e enriqueça suas seções à medida que for “alimentado” com informações da comunidade de dança e do público que espera conquistar. O intercâmbio está aberto.

Para começar, o Conectedance está disponibilizando um “Quem é Quem” da dança brasileira que, embora ainda incompleto, já dimensiona e reflete a produção neste país, com mais de 100 nomes incluídos (em texto bilíngue, espera-se que também sirva de fonte de consulta para estrangeiros). Para expandir conexões, temos a seção “Brasileiros no Exterior”, que nos dará notícias dos muitos artistas e profissionais de dança de nosso país que estão espalhados pelo mundo, trabalhando e desfrutando de reconhecimento.

Seções com abordagens diversas falam de dança e de gente que faz dança. Um vídeo sobre Céu na Boca, novo espetáculo da Quasar Cia. de Dança, realizado exclusivamente para o Conectedance, é outra iniciativa com intenção de estimular este tipo de produção e de proporcionar informação inclusive pelos meios audioviduais da internet. Informar o público sobre programações de espetáculos, em âmbito nacional e internacional, também é nosso propósito e para tanto convidamos todos os que atuam na área para que nos enviem informações.

Para cultivar o elo com as grandes fontes criativas e inspiradoras da dança, o Conectedance programou, ainda em sua fase de planejamento, uma matéria sobre Merce Cunningham, o gênio que, então, estava completando 90 anos. Era começo de julho e sabia-se que dificilmente ele concederia uma entrevista por telefone, pois já estava debilitado e se locomovendo em cadeira de rodas. Tentou-se então uma entrevista com Robert Swinston, bailarino admirável e veterano da Merce Cunningham Dance Company, que nas últimas duas décadas vinha atuando como assistente direto do mestre.

Infelizmente, logo após a entrevista que Swinston concedeu ao Conectedance, Cunningham morreu (difícil usar este verbo para ele, que continua e continuará presente no mundo da dança). Contatado novamente, Swinston nos forneceu um relato emocionado dos dias que se seguiram ao desaparecimento do mestre. Para o Conectedance, falar de Cunningham vale como um tributo, que se estende também a Pina Bausch, outra grande perda deste ano. Porém, valendo-se da visão de futuro do grande coreógrafo que, com antecedência, participou de um plano de preservação de sua obra, vamos nos conectar com a continuidade e a expansão da dança, em toda sua dimensão.

Ana Francisca Ponzio é jornalista, crítica, curadora e produtora de eventos na área de dança. Criadora do Conectedance, responde pela direção e edição deste website.

  • http:// Miriam Druwe

    Uauuu! Ana, ficou D+!!!!Parabéns pela concretização dessa idéia!!! bj Miriam Druwe

  • http:// Silvia Abreu

    Cara Ana Francisca!Gostaria de obter o endereço eletrônico para o envio de informações sobre os grupos de dança com quem trabalho em Porto Alegre.AttSilvia

  • http://www.lubrites.com.br Luciana Brites

    Ana Francisca,Registro aqui minha satisfação em navegar este site.Um projeto com efeito catalisador para esta área, muito bem-vindo.Parabéns! E Vida longa ao CONECTEDANCE!Grande abraço, Lu B.

  • http:// Jorge Schutze

    OIGostaria de enviar informações sobre a produção em Alagoas.Ja me cadastrei no site.Como operacionalizar as informações?abraçosparabens

  • http:// Daggi Dornelles

    Ana, acredito que a dança deste país – ainda tão negligenciada como profissão – agradeça imensamente tua ampla e delicada iniciativa de criar este site. Precisaríamos de inúmeras ações assim: fruto do afeto e respeito pelos significados da arte no imensurável e complexo território das culturas. Um abraço, Daggi Dornelles (flores urbanas – estudos do corpo em arte e humanismo)

  • http:// Marilia Balbi

    Ana Francisca, parabéns! O site conectedance é uma iniciativa pioneira e merecida premiação APCA. A qualidade do trabalho é excepcional! Merece muito sucesso!!!abs

  • http://ogosousoah.wordpress.com André Bern

    “Olá, Ana Francisca!Fiquei bastante feliz ao encontrar o site… a iniciativa é extremamente válida!Gostaria muito de colaborar de alguma maneira, pois tenho interesse nesse movimento de disseminação de informações sobre dança. Tenho um pequeno projeto, que desenvolvi em minha última residência no Centro Coreográfico do Rio, em torno de conversas com artistas de dança. Chama-se “”colóquio D”” e você pode conferir em http://coloquiod.wordpress.com. Quem sabe não possamos estabelecer uma ponte entre as propostas?Abraço e parabéns!!!Vida longa ao ConecteDance ,)André Bern”

  • http:// Alexandre Molina

    Oi Ana Francisca! Como vai?Escrevo para divulgar a programação do FIAC – Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia – que conta com espetáculos de dança em sua programação: http://www.fiacbahia.com.br/

  • http:// DEISE CIBELE ROCHA PROSPERO

    Parabens pelo texto e pela iniciativa.

  • http:// eliana thompson henriques

    Ana Francisca, parabéns pela iniciativa!Fiquei encantada com o site.

  • http://www.lufernandes.com.br Nora Ferreira

    “Artistas e companhias de 62 cidades de São Paulo, Paraná e Santa Catarina têm até 08 de dezembro para inscrever projetos na área de Dança para participar do 15o Cultura Inglesa Festival, a ser realizado em junho de 2011. Os projetos de dança deverão propor coreografias inéditas inspiradas na obra de um ou mais artistas plásticos britânicos. A temática deverá ser dirigida a jovens a partir de 14 anos e será dada preferência para os projetos com maior possibilidade de mobilidade e adaptação a diferentes espaços de apresentação. Serão selecionados três projetos e cada um receberá R$ 35 mil. A melhor produção ainda ganhará prêmio no valor de R$ 5 mil e troféu. Além de espetáculos de dança, o evento exibirá produções nas áreas de Teatro Adulto e Iinfantil, Cinema Digital e Artes Visuais. Ao todo a Cultura Inglesa vai disponibilizar R$ 535 mil, entre patrocínios para produção e concessão de prêmios. Em 26 de janeiro, a Cultura Inglesa divulgará os nomes dos selecionados por área.Podem concorrer ao festival, grupos e companhias que tenham seu integrante proponente residente na cidade de São Paulo, capital, em todos os municípios da Grande São Paulo, além das cidades de Araçatuba, Bauru, Campinas, Franca, Guarujá, Jundiaí, Mogi das Cruzes, Piracicaba, Praia Grande, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Rio Claro, Santos, São Carlos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Vicente, Sorocaba e Taubaté. No Paraná podem concorrer artistas de Londrina, Maringá e Curitiba e em Santa Catarina candidatos de Florianópolis, Joinville, Itajaí e Blumenau. Cada proponente poderá concorrer apenas com um projeto a ser desenvolvido para o festival, mesmo que seja em áreas diferentes.REGULAMENTO Os candidatos poderão acessar o hotsite http://www.culturainglesasp.com.br/festival para conhecer o regulamento do processo de seleção, obter cópia da ficha de inscrição e esclarecer dúvidas por meio da seção “”fale conosco””. As fichas de inscrição e os documentos descritos no regulamento devem ser enviados por correio, com aviso de recebimento, para a sede da Cultura Inglesa no Centro Brasileiro Britânico, à rua Ferreira de Araújo, 741 3o andar, Pinheiros, São Paulo. ou entregá-los pessoalmente.Informações para a imprensa com Nora Ferreira – Lu Fernandes Escritório de Comunicação – (11) 3814-4600″

  • http://www.plataformavirus.com.br/sapatosbrancos Luis Ferron

    Reconhecermo-nos em DANÇA em tempo e espaço, ao meu pensar, depende exclusivamente de quase, ou mais, cinco fatores: – quem ESTOU fazendo dança AGORA?- quens foram meus precedentes ONTÉM e por quê não dizer: HOJE tb?- quem ESTOU fazendo dança a partir dos meus PRECEDEDENTES?- quem ESTOU fazendo dança a partir do MERCADO, MEUS PRECEDENTES, MEUS VICIOS EGOCENTRISTAS…?- quem SOU, talvez não importe para o contexto midiático, e talvez nem mesmo EU saiba me interessar por isto, mas, quem ESTOU depende do que me motivou a acreditar na história da qual fui ALUNO, REPETENTE, e ainda SENDO e ESTANDO, mesmo como vitima da minha infame pretensão de SER UNICO independente do entorno e feito tão igual ou parecido com o que, NEGO, me REVOLTO e tb CRITICO. Ana, o seu, nosso, CONECTEDANCE me inspira a essa fala. Uma revista digital abarcando um contexto histórico em doses HOMEOPÁTICAS, dose por dose feito um gota a gota intravenoso com toda inteligência daqueles que viveram histórias e possuem a calma para falarem sobre, e ao mesmo tempo inspirando este a dizer que temos um TODO GENTE GRANDE, uns que partiram desse plano e outros ainda por aqui com falas brandas sem tentar provar nada, que fizeram e ainda fazem muito, pois SÃO REALMENTE HISTÓRIA.Voce realmente é A Pessoa Com Alma 2009, mas p mim, bem antes disso e até agora, te admiro e respeito por toda contribuição ao MUNDO DA DANÇA!bj gdeFerron

  • http:// Luis Ferron

    Para Quito, ou Cristiane Paoli Quito: Quito, em 1996 quem estava atuante no seu inicio de pesquisa sobre obra, arte, espetáculo, fundamentado na tal improvisação incluindo o vexame no prewieu do que hoje é o SESC Pinheiros, naquele momento nomeado MUNDÃO, constavam os seguinte integrantes, os quais utilizaram os seus miseros minutos, sem cachê ou verba geradas por editais, por ordem alfabética: Livia Seixas, Luis Ferron, Tica Lemos e Wilson Aguiar. Lembra disso?! Temos as datas da vila madalena, sarau dos Charles, feira de cultura da Pompéia e etc..Vamos nos respeitar, please!absLuis Feron

  • http:// mario luiz cardoso de araujo

    Ana, ainda que não esteja absolutamente dentro da minha esfera de conhecimento e muito menos de atuação profissional, não tenho nenhuma dúvida quanto à enorme relevância desse espaço para os batalhadores dessa expressão artística pouquíssimo difundida e valorizada no Brasil. Parabéns! Beijo grande.

  • http:// Ciça Teivelis Meirelles

    “Oi Ana,Gostaria de convidá- la para assistir o trabalho que está acontecendo no CCCP,http://www.centrocultural.sp.gov.br/programacao_danca.asp,do Alex Soares, onde participo na direção do espetáculo. É a segunda parceria minha com o Alex. No ano passado fizemos “” Paralaxes de paranóias “” também no CCCP.Estaremos de Quinta ( 21hs ) `a Domingo ( 20 hs ). Última semana.Será um grande prazer tê- la na platéia!Obrigada,Beijo,Ciça”

  • Anna Cristina Gonçalves

    Adorei a iniciativa! Interessante e muito bem escrito. Parabéns e muito sucesso!

  • yoman bittencourt

    ..perfeito,que o “Conectdance”continue em seu propósito, sem hesitar, porque o Brasil artístico, na área específica da dança clássica e/ou erudita,precisa de tudo que está escrito no editorial aí de cima.Acredito que com a perseverança de Ana F.Ponzio o Conectdance se firmará como instrumento imprescindível na pesquisa da dança artística,classica e erudita do Brasil que precisa melhorar sua imagem nesta área.Não sou do ramo,mas meu irmão foi e,por força do convívio,ouvi muitos comentários de que o profissional brasileiro da dança clássica para sobreviver tinha de sair do país…é incrível,porque não há divulgação,patrocínio e insistência,mas o povão,se incentivado,assiste,prestigia e aplaude, de pé, espetáculos de óperas e danças!!!