Editorial

Ana Francisca Ponzio

Colocar em evidência a dança e aqueles que a produzem; colaborar com a circulação de informação e conhecimento sobre a área; estabelecer e aprimorar um canal de difusão dirigido não só para especialistas mas também para o público em geral; despertar interesse e ampliar plateias para uma área que lida com lacunas na mídia convencional.

Misto de missão e desafio, essas propostas norteiam o Conectedance, este novo canal de difusão da dança na internet, que espera abrir espaços para uma área artística cuja produção é expressiva no Brasil, mas que enfrenta limites em sua difusão.

Num país de dimensão continental como o Brasil, é vital e transformador contar com canais de divulgação capazes de criar elos entre todos os centros produtores de cultura. Há lacunas imensas a serem preenchidas e ao mesmo tempo o enorme potencial de termos a dança na linha de frente das manifestações culturais deste país.

Com a intenção de somar forças nesse contexto promissor, o Conectedance nasce com o propósito de difundir a dança como expressão artística no mundo contemporâneo. A atualidade, a memória, a produção brasileira em sua diversidade, a conexão com o mundo globalizado estão entre os focos de seu conteúdo, dentro de uma perspectiva de informações e opiniões plurais.

O conteúdo de abertura esboça suas propostas, como um leque que se abre em várias direções. Estamos apenas no começo e a expectativa é que o Conectedance se desenvolva e enriqueça suas seções à medida que for “alimentado” com informações da comunidade de dança e do público que espera conquistar. O intercâmbio está aberto.

Para começar, o Conectedance está disponibilizando um “Quem é Quem” da dança brasileira que, embora ainda incompleto, já dimensiona e reflete a produção neste país, com mais de 100 nomes incluídos (em texto bilíngue, espera-se que também sirva de fonte de consulta para estrangeiros). Para expandir conexões, temos a seção “Brasileiros no Exterior”, que nos dará notícias dos muitos artistas e profissionais de dança de nosso país que estão espalhados pelo mundo, trabalhando e desfrutando de reconhecimento.

Seções com abordagens diversas falam de dança e de gente que faz dança. Um vídeo sobre Céu na Boca, novo espetáculo da Quasar Cia. de Dança, realizado exclusivamente para o Conectedance, é outra iniciativa com intenção de estimular este tipo de produção e de proporcionar informação inclusive pelos meios audioviduais da internet. Informar o público sobre programações de espetáculos, em âmbito nacional e internacional, também é nosso propósito e para tanto convidamos todos os que atuam na área para que nos enviem informações.

Para cultivar o elo com as grandes fontes criativas e inspiradoras da dança, o Conectedance programou, ainda em sua fase de planejamento, uma matéria sobre Merce Cunningham, o gênio que, então, estava completando 90 anos. Era começo de julho e sabia-se que dificilmente ele concederia uma entrevista por telefone, pois já estava debilitado e se locomovendo em cadeira de rodas. Tentou-se então uma entrevista com Robert Swinston, bailarino admirável e veterano da Merce Cunningham Dance Company, que nas últimas duas décadas vinha atuando como assistente direto do mestre.

Infelizmente, logo após a entrevista que Swinston concedeu ao Conectedance, Cunningham morreu (difícil usar este verbo para ele, que continua e continuará presente no mundo da dança). Contatado novamente, Swinston nos forneceu um relato emocionado dos dias que se seguiram ao desaparecimento do mestre. Para o Conectedance, falar de Cunningham vale como um tributo, que se estende também a Pina Bausch, outra grande perda deste ano. Porém, valendo-se da visão de futuro do grande coreógrafo que, com antecedência, participou de um plano de preservação de sua obra, vamos nos conectar com a continuidade e a expansão da dança, em toda sua dimensão.

Ana Francisca Ponzio é jornalista, crítica, curadora e produtora de eventos na área de dança. Criadora do Conectedance, responde pela direção e edição deste website.