Programação Brasil

São Paulo - SP

Cia. Dança sem Fronteiras – Olhares dos Sapatos

Foto: Maria Cristina Pillegi

Em duas estações de metrô de São Paulo – Paraíso e Luz – a Cia. Dança sem Fronteiras, dirigida por Fernanda Amaral, apresenta o espetáculo Olhares dos Sapatos, que propõe uma reflexão sobre a diversidade.

Desde 2010 a Cia. Dança sem Fronteiras procura expandir as possibilidades da dança ao mesclar bailarinos de habilidades mistas, com e sem deficiência física. Em Olhares dos Sapatos, o grupo envereda pela dança-teatro para desenvolver uma associação entre diversos sapatos e personagens, criando e contando histórias através do movimento.

Cada qual com suas características e movimentações, os sete integrantes do elenco promovem uma dramaturgia provocativa e lúdica em Olhares dos Sapatos, que dá continuidade à pesquisa da companhia. Acolhendo as habilidades e potencialidades de seus intérpretes, a criação investiga a ressignificação de objetos cotidianos e de auxílio à mobilidade, criando uma poética de movimento.

A Cia. Dança Sem Fronteiras trabalha com a dança como um território que representa, respeita e entende o sujeito com suas singularidades.

As coreografias de Olhares dos Sapatos são criadas a partir da singularidade e da fisicalidade de cada intérprete, utilizando o gestual do cotidiano, misturado com elementos de Libras (Língua Brasileira de Sinais) e princípios coreográficos que a companhia vem desenvolvendo em sua pesquisa. A bailarina Fernanda Amaral, que assina direção e coreografia, explica: “Em nossa pesquisa trazemos para as coreografias métodos de improvisação, DanceAbility e a dança-teatro, assim como movimentações originadas pela necessidade de mover partes que não se movem sozinhas, movimentações originadas pela utilização e separação articulares, além da presença física adquirida pela influência das artes marciais”.

Sapatos viram personagens

Foto: Ricardo Pimentel

Clique para ampliar

  Olhares dos Sapatos apresenta três personagens centrais: o Senhor Andador, narrador que leva consigo um andador no qual transporta sapatos, a memória do andar, inúmeras histórias e a poesia de percorrer o mundo todo; a Dona Sapateira, mulher sábia que com seu jeito peculiar de mover transporta inúmeros sapatos de todos os tipos e o Matraca, que se locomove dentro de uma caixa de engraxate feita em cima de um skate, e com sua curiosidade observa o mundo e as movimentações dos sapatos à sua volta.

A cenografia traz uma instalação com uma mala armário, de onde saem muitas linhas conectadas a vários sapatos, onde desfilam personagens, como Sapa-Diva (sapato diva) que não pode colocar o pé no chão e por isso usa muletas; os Sapatos com Olhos que ajudam a caminhada de quem têm baixa visão, o Sapato News que transmite as notícias do mundo, os Sapatos Pés e os Boca de Sapato, entre outros.

O elemento sapato apareceu no trabalho da Cia. Dança Sem Fronteiras pela primeira vez sutilmente, no espetáculo Frestas do Olhar, em 2017. Para Fernanda Amaral, a nova montagem provoca, desta vez com sutileza e humor, uma reflexão sobre a diversidade. “O espetáculo segue nossa linha de investigação e busca de referências, para ampliar o que se vê ou se percebe, através da ressignificação de objetos, utilizando sempre uma linguagem de movimento pesquisada e desenvolvida pela Cia. Dança sem Fronteiras há sete anos, e por mim há mais de 25 anos”, conta a bailarina.

Fernanda Amaral assina coreografia e direção de Olhares dos Sapatos. O elenco da Cia. Dança sem Fronteiras reúne Ana Mesquita, Fernanda Amaral, Gabriel Domingues, Gustav Coubert, Lucineia Felipe dos Santos, Maiara Roquetti e Rafael Barbosa. A trilha sonora é de Divan Gattamorta. Figurino e cenário: Kleber Montanheiro. Iluminação: Alexandre Zulu.

Sobre a Cia. Dança Sem Fronteiras

Em 2010, em São Paulo, Fernanda Amaral, bailarina, coreógrafa e educadora, criou a Cia. Dança Sem Fronteiras. Desde a sua criação, a companhia, com sete espetáculos no repertório, realiza oficinas de dança e apresentações em teatros, museus, espaços abertos (rua e praças) e diversos SESCs da capital e interior, além de participação nos festivais Sencity no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), Vozes do Corpo e Mostra Internacional Mais Sentidos no Teatro Sérgio Cardoso. Em 2013 a companhia foi contemplada pelo prêmio Prince Claus Fund for Culture and Development (Holanda) e com o ProAc de Produção de Espetáculo de Dança com Olhar de Neblina. Em 2015, pelo 19º Edital de Fomento à Dança da Cidade de São Paulo, com o Projeto Novas Fronteiras do Olhar e em 2018 pelo 23º Edital de Fomento à Dança da Cidade de São Paulo, com o projeto Dança sem Fronteiras e suas Interlocuções com a Cidade, que envolve oficinas, jams, além da estreia e circulação do espetáculo Olhares dos Sapatos. 

Sobre Fernanda Amaral

Bailarina, coreógrafa e educadora, tem 30 anos de experiência profissional. Nascida no Brasil, residiu na Grã-Bretanha por 20 anos, onde se graduou em Educação. Possui vários títulos internacionais em dança e teatro, incluindo vários certificados em DanceAbility. Recebeu vários prêmios: Bonnie Bird 2009 pelo Centro Laban em Londres, Arts Council no País de Gales e Lisa Ulman, entre outros. Em 1993 fundou Patuá Dance Companhia de Dança-Teatro, em 2005 a Patuá DanceAbility, ambas no País de Gales, e em 2010 criou a Dança sem Fronteiras no Brasil.