Programação Brasil

São Paulo - SP

Dinah Perry e Jorge Garcia
D’Arc – Dark

@SilviaMachado
Ana Carolina Barreto em Dark, de Jorge Garcia.
@SilviaMachado@SilviaMachado

Ana Carolina Barreto em D'Arc, de Dinah Perry.

Clique para ampliar

 O espetáculo D’Arc – Dark, concebido pelos coreógrafos Dinah Perry e Jorge Garcia, é dividido em dois atos sequenciais, com 30 minutos de duração cada. São coreografias distintas que mostram os diferentes olhares dos coreógrafos para um mesmo tema, mas que se complementam ao contemplar a mulher de todos os tempos.

Tanto D’arc de Dinah Perry quanto Dark de Jorge Garcia tem Joana d’Arc como inspiração criativa. Heroína francesa, santa da igreja católica e padroeira da França, Joana d’Arc foi chefe militar na Guerra dos Cem Anos e condenada à execução na fogueira sob a acusação de bruxaria. Dinah traz a Joana D’arc inserida nas questões da mulher contemporânea. Já a concepção de Garcia explora o lirismo e as dores desse arquétipo de mulher. Embora o período medieval seja pano de fundo, o espetáculo tem contexto atemporal.

@SilviaMachado@SilviaMachado

Julia Cavalcante em D'Arc, de Dinah Perry.

Clique para ampliar

  A coreografia de Dinah Perry reúne elementos da dança, do teatro e da expressão corporal, amarrados por textos autorais. Em foco o corpo dinâmico em combate, propondo imagens intensas às cenas. Em D’arc, a mulher aparece inserida nas mazelas do mundo atual, questionando as relações humanas ceifadas pelo poder, pela inveja e pela solidão.

  A criação de Garcia aborda Joana d’Arc como símbolo do sofrimento das mulheres acusadas de bruxaria na Idade Média. O nome ‘dark’, de escuro, é uma metáfora ao nome da heroína para trazer luz à penumbra da cena e refletir sobre uma cultura que ainda se faz presente. A sensação de ser queimado e a imagem sensorial desta ação trazem para a coreografia Dark o discurso ao qual se propõe. Os corpos são manipulados em cena com varetas de madeira, enquanto o sofrimento e o aprisionamento também são manipulados.

@SilviaMachado@SilviaMachado

Dark, de Jorge Garcia

Clique para ampliar

  Enquanto a música lírica pontua a encenação de Dinah Perry, musicais de Björk aparecem em coro, em forma de lamento, na criação de Jorge Garcia. As duas coreografias trazem um mesmo elenco de quatro bailarinas – Ana Carolina Barreto, Carine Shimoura, Larissa Leão e Paula Miessa, além de Julia Cavalcante (somente em D’arc).

A iluminação é de Ari Buccioni.