Programação Brasil

São Paulo - SP

Flavia Pinheiro
Diafragma: Ensaio sobre a Impermanência 
Contato Sonoro
(Dança no MIS)

Foto: Martin Raabe
Foto: Martin Raabe

O Dança no MIS de julho apresenta duas performances da artista Flavia Pinheiro: Diafragma: Ensaio sobre a Impermanência e Contato Sonoro. A primeira acontece em duas sessões: às 18h, nos dias 15 e 16, e a segunda tem apresentação única às 15h do domingo, 16.

Dança no MIS é realizado mensalmente, com curadoria de Natalia Mallo. A programação é voltada para o site-specific, em que coreógrafos são convidados a escolher uma área do MIS para compor um trabalho em dança, bem como a ocupação do auditório com espetáculos de repertório e novas criações. 

Flavia Pinheiro apresenta a performance Diafragma: Ensaio sobre a Impermanência como o motor de uma grande máquina. Desenvolve-se através de uma série de imagens em movimento, que apontam algumas reflexões sobre a realidade virtual e a imaterialidade. Mediante um software de captura da presença se produzem simulações animadas em tempo real, que atuam em padrões de modelos matemáticos de acordo com o movimento. O resultado é a revelação de micromovimentos invisíveis. Com os olhos fechados e entreabertos a performer busca ativar o vínculo entre o interior e o exterior e questionar as possibilidades de existência na virtualidade, como uma tentativa falida de estender o tempo por meio de sua permanência. O corpo em movimento na instalação define a imagem e se relaciona com esta em um feedback contínuo. 

Contato Sonoro é uma performance/intervenção urbana com um dispositivo sonoro. O som acontece quando os corpos se tocam ou quando, ao movimentar-se, a performer toca diferentes partes do seu próprio corpo. A partir de uma caixa saem dois cabos: um em contato com o pescoço e o outro isolado eletricamente na mão. O circuito fecha quando duas ou mais pessoas entram em contato com as mãos ou qualquer outra parte do corpo. O som que sai do alto falante altera sua frequência de acordo com o tipo de toque e com o corpo como invólucro da ação.  

No caminho, a performer distribui fanzines que explicam como o dispositivo, que funciona como um drawdio pode ser feito em casa. O circuito usa um temporizador 555 que articula uma operação estável, responsável pela criação dos impulsos elétricos, e dois transistores que são responsáveis pela ampliação do sinal. Finalmente, o drawdio é um sintetizador musical simples e interessante que usa as propriedades condutoras dos órgãos. O resultado é a criação de ruído em qualquer superfície, permitindo que seja possível usar a condutividade dos corpos humanos. 

Sobre a artista

Flavia Pinheiro, artista de Recife, pesquisa o corpo em movimento em relação a diferentes dispositivos. Trabalha em performances, vídeos, instalações, intervenções urbanas e em colaboração com artistas de diferentes linguagens. Desenvolve experimentos que envolvem a arte e a tecnologia.

15 e 16 de julho/2017
Sábado às 18h
Domingo às 15h e 18h
Grátis

Avenida Europa, 157, Jardim Europa, São Paulo (SP), tel. (11) 2117-4777.

Estacionamento conveniado: R$ 18.

Local das apresentações: Foyer – Térreo.

Local da apresentação de domingo às 15h: Área externa.