Programação Brasil

São Paulo - SP

Luis Ferron
Libélulas de Vidro

Depois de Os Corvos, espetáculo em parceria com Luis Arrieta, o coreógrafo e bailarino Luis Ferron estreia Libélulas de Vidro, sob sua direção e concebido junto com Andreia Yonashiro, Daniela Dini e Daniel Fagundes. A criação conta também com a participação de Hedra Rockenbach, que concebeu trilha sonora e iluminação.

Foto: Clarissa LambertFoto: Clarissa Lambert

Clique para ampliar

  As duas obras – Os Corvos e Libélulas de Vidro – compõem o díptico Diálogos Alados – Colóquios sobre a Morte, projeto de criação de Luis Ferron, que através da analogia com os seres alados que dão título às criações, aborda a fugaz e densa relação humana com o ciclo da vida. Perante o tempo que nos resta neste processo, revela as fraquezas e obstinações de todos nós.

Se o mote de Os Corvos é a própria morte, em Libélulas de Vidro a discussão se acerca da vida, sob o viés juvenil pelo qual reconhecemos mais facilmente a voracidade das mudanças que nos atingem.

“A velhice possui seu próprio metabolismo, mas na juventude é que as despreocupações se alojam. As libélulas, com suas significações diversas, nos remetem geralmente à renovação e à mudança. Seu bater de asas contundente, parecido ao dos colibris, lhe concede a estabilidade e autonomia que não cabe ao corvo, relegado à brevidade de seus voos. Esse enorme gasto de energia acontece num curto tempo de vida, o que gera a necessidade do aproveitamento dessa passagem.”

Desta vez, Luis Ferron convida para o palco três intérpretes-criadores da cena paulistana: Andreia Yonashiro, Daniel Fagundes e Daniela Dini. Com exceção do diretor, o trio está na faixa etária dos 30 anos. Partindo desta jovialidade, o elenco se desloca pelo tema, encontrando o caminho entre a metáfora e o real, usando o corpo como meio de alusão.

São libélulas de vidro, com suas fragilidades e trincas, vivendo a fugacidade do seu tempo.

Na concepção de Ferron, “a vida é um espaço entre o nascimento e a morte, um percurso com inúmeras mudanças, que exige uma voracidade e um estado de presença ímpar. Em maior grau na juventude, mas presente na velhice, podemos ver esse estado de libélulas vorazes despreocupadas com um fim”.

30 de novembro a 3 de dezembro
Quinta e sexta às 20h
Sábado às 19h30
Domingo às 18h30
Grátis

Rua Bom Pastor, 822, Ipiranga, São Paulo (SP), tel. (11) 3340-2000.

Retirada de ingresso: com 1h de antecedência.

www.sescsp.org.br/ipiranga