Programação Brasil

São Paulo - SP

Quasar Cia. de Dança – O que ainda guardo

Foto: Marcus Camargo
Foto: Marcus Camargo

Clique para ampliar

A Quasar, companhia de dança sediada em Goiânia (GO), tornou-se uma referência nacional em seus 30 anos de carreira, completados em 2018. Porém, cerca de dois anos atrás, anunciou a paralisação de suas atividades

Foto: Marcus Camargo

Clique para ampliar

por falta de verbas e patrocínios.

Neste setembro de 2018, a companhia dirigida por Vera Bicalho e pelo coreógrafo Henrique Rodovalho, que construiu a identidade artística do grupo, volta à cena em grande forma para apresentar nova criação: O que ainda guardo. Com apenas duas apresentações em São Paulo e uma no Rio de Janeiro, esta “temporada” tornou-se possível graças a um patrocínio (que, espera-se não se resuma a este acontecimento) da joalheria Vivara, que está associando a dança à sua atual campanha   publicitária.

O que ainda guardo se inspira na bossa nova, um dos mais importantes movimentos da música brasileira, buscando construir diálogos entre o ontem e o hoje, entre canções e o corpo em movimento.

Foto: Marcus Camargo

Clique para ampliar

Segundo o criador do espetáculo, Henrique Rodovalho, há um tipo de respiro, um frescor, uma coloquialidade e, por vezes, uma leveza necessária, características da bossa nova, inseridas tanto nos personagens que o espetáculo sugere quanto nas coreografias. “A sequência de gestos alinha-se a certa cronologia desse gênero musical desde seu surgimento, com João Gilberto, Vinicius de Moraes e Tom Jobim, até chegar ao Rio de Janeiro de hoje”.

Sobre as atuais apresentações, Rodovalho ressalta: “Traduzem, direta ou indiretamente, uma trajetória, expõem uma maturidade e reafirmam todo um estilo de fazer e pensar dança”. Dança que, vale notar, continua em plena forma, apesar das descontinuidades impostas pelas dificuldades financeiras.

Foto: Marcus Camargo

Clique para ampliar

O figurino de O que ainda guardo promove uma concepção orgânica de imagens, mesclando o fim dos anos 1950 e a década de 1960 com o agora. Formatos de ondas delineiam roupas, cenário, um contexto de dia de luz e festa de sol.

26 de setembro/2018
Quarta-feira às 21h
A partir de R$ 30

Av. das Américas, 5300, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ).

Capacidade: 1.235 lugares.

Duração: 70 minutos.

Classificação etária: livre.

Compra de ingressos pela internet: www.cidadedasartes.rio.rj.gov.br e www.ingressorapido.com.br.

Apresentações em São Paulo:

Auditório Ibirapuera

22 e 23 de setembro/2018 (sábado às 21h e domingo às 19h)