Pelo Mundo

A Sagração da Primavera em versão de Sasha Waltz

Foto: Bernd Uhlig
A Sagração da Primavera em versão de Sasha Waltz com legenda "Cena de Sacre, de Sasha Waltz."
A Sagração da Primavera em versão de Sasha Waltz com legenda "Cena de Sacre, de Sasha Waltz."

Sacre, com Sasha Waltz & Guests: em Bruxelas (Bélgica), de 13 a 15/9/2013, no Théâtre Royal de la Monnaie, www.lamonnaie.be; em Berlim (Alemanha), 26/10/13 e 02/11/13 no Staatsoper Schiller Theater, www.staatsoper-berlin.de; em Luxemburgo (Luxemburgo), dias 9 e 10/11/2013, no Grand Théâtre de Luxembourg, www.theatres.lu.

A estreia de A Sagração da Primavera no Théâtre des Champs-Elysées de Paris, no dia 29 de maio de 1913, marcou o despertar da modernidade, na música e na dança. Dois artistas russos protagonizaram o acontecimento: o compositor Igor Stravinsky (1882-1971) e o coreógrafo Vaslav Nijinsky (1890-1950). Marcante até hoje, a Sagração continua inspirando coreógrafos a realizarem a sua própria versão da obra. A alemã Sasha Waltz destaca-se no calendário internacional de comemorações, por ter sido convidada para criar uma versão contemporânea para a histórica e tradicional companhia de balé clássico do Teatro Mariinsky de São Petersburgo, antiga capital imperial da Rússia, onde Nijinsky começou sua carreira.

O convite partiu de Michel Franck, atual diretor do Théâtre des Champs-Elysées e de Valery Gergiev, o respeitado maestro e diretor musical do Teatro Mariinsky. No dia 13 de maio deste ano a Sagração de Sasha Waltz estreou no lendário palco de São Petersburgo, com o elenco de sua companhia e os bailarinos da Companhia de Ballet do Teatro Mariinsky, que durante muito tempo foi conhecida como Ballet Kirov.

Além do Sacre de Sasha, a companhia russa também apresentou uma reconstrução da versão original de Nijinsky. O mesmo programa duplo foi apresentado no último 29 de maio no Théatre des Champs-Elysées de Paris. Assim como em São Petersburgo, a música de Stravinsky foi tocada ao vivo pela Orquestra Mariinsky, regida por Valery Gergiev.
A partir de setembro deste ano, a Sagração de Sasha inicia uma série de temporadas na Europa, já como peça do repertório de sua companhia, a Sasha Waltz & Guests. As apresentações começam na Bélgica, no Théâtre Royal de la Monnaie, e seguem para Berlim, onde será apresentada no Schiller Theater da Staatsoper, com orquestra sob regência de Daniel Barenboim. Em janeiro de 2014, Sacre ainda estará em cena, no Grand Théâtre de Luxemburgo.

“Por um longo tempo, eu estive interessada em ritos e mitos arcaicos, que evocam o poder e a grande ordem da natureza”, diz Sasha. “No mundo altamente tecnologizado de hoje, as forças da natureza têm sido reduzidas para aparecer quase exclusivamente na forma de catástrofe. Rituais, por outro lado, expõem a estrutura cíclica da natureza e estabelecem a relação da humanidade com suas origens”. Segundo a coreógrafa, A Sagração da Primavera lhe ofereceu a chance de dedicar um espetáculo inteiro a estes temas.